Menu
Domingo, 15 de Dezembro de 2019
(67) 9 9645-0564


Escola em MS leva alunos para Fórum e simula júri para discutir trabalho a partir dos 14 anos: "Ficou muito real"
Diretor diz que alunos são instigados a escolher um tema revelante. Mãe de uma aluna comentou que a filha sonha em ser advogada e ficou emocionada ao vê-la argumentando.
Mãe de aluno diz que ficou emocionada ao ver a filha argumentando no Fórum — Foto: Kelly Santos/Arquivo Pessoal

De um lado, a turma favorável ao trabalho a partir dos 14 anos. Do outro, a acusação, com a tese contrária. Na plateia, os pais, professores e o restante dos alunos do 9° ano da Escola Estadual Professor José Juarez Ribeiro de Oliveira, presentes no Fórum de Itaquiraí, a 395 km de Campo Grande. A aula diferenciada é a simulação de um júri, com a presença de autoridades, para tornar o debate o mais real possível.

"Eles pesquisaram, montaram suas teses e assim o projeto ocorreu no decorrer do ano. Os alunos foram minuciosamente preparados para este júri, que ocorreu nas dependências do Fórum da cidade. A intenção é torná-lo o mais próximo possível da realidade e desenvolver o senso crítico, oralidade, postura é nítido o foi feito para o conhecimento acadêmico e pessoal dos alunos", afirmou a reportagem o diretor Denis Junior Henrique da Silva, de 43 anos.

 

Conforme o diretor, desde o início do ano, os alunos são instigados a escolher um tema revelante. "Em anos anteriores já foi falado em pena de morte, maioridade penal, sempre algo polêmico e que dê abertura ao debate, então, esse ano, o tema escolhido foi o mercado de trabalho a partir dos 14 anos. Na ocasião, na presença de autoridades, entre vereadores, desembargador e um juiz federal, tivemos a versão 2019", ressaltou.

Mãe de uma aluna, a comerciante Maria do Carmo Bagnara, de 45 anos, ressalta o incentivo para os alunos. "Eu fiquei lá na bancada, chorando, sei que este é algo muito bom e importante para eles e também foi muito gratificante para todos nós. Assisti no ano passado e este ano fui lá acompanhar minha filha. Ela tem um pouco de dificuldade para se expressar, mas, lá ela se envolveu, falou com projetos. É algo que será muito importante para vida dela, todo esse desempenho, principalmente porque ela sonha em ser advogada. Ela teve argumentos próprios, saiu da zona de conforto, foi excelente. Nós apoiamos em tudo o que estava ao nosso alcance e ela realizou um sonho, foi como receber um prêmio", finalizou.

A professora de língua portuguesa Kelly Cristina dos Santos, de 43 anos, ressalta que temas polêmicos como aborto, adoção de crianças por casais homoafetivos e também um clássico da literatura já foram trabalhados por alunos. "É um projeto que começou pequeno, na escola mesmo, em sala-de-aula e vem crescendo ano a ano...agora será levado para Brasília e também apresentado em Campo Grande. O evento encheu o recinto do Fórum nessa última segunda-feira (4), com um calor enorme, foi muito especial", finalizou.